pub-9301201605593009

Mudanças de Hábito – qual é o melhor momento?

Antes de respondermos a esta pergunta, vamos entender o que é “mudança de hábito” e porque todos falam tanto sobre a necessidade de mudarmos os nossos hábitos.


Por sermos humanos, estamos em constante mudança. As mudanças nos fazem sair da rotina e da zona de conforto, já que somos uma espécie extremamente adaptável. Além disso, nós somos insaciáveis, no bom sentido da palavra. Mesmo que você alcance o ponto alto de seus sonhos, ao chegar lá, pode simplesmente se acostumar com este lugar.


O hábito nada mais é do que tudo aquilo que você faz por repetição, dentro de uma sequência ou uma rotina. Quando você faz isso, o seu cérebro fica acostumado e condicionado a seguir este padrão de atividade sem muito esforço mental. Se você está acostumado a acordar tarde e ainda ficar 40 minutos sentado na cama sem se levantar, sua mente está habituada a este ritmo de estado, mas de repente, você se sente motivado a mudar o seu estilo de vida e acordar mais cedo e ir fazer uma atividade física, o que no inicio, passa a ser um martírio. Seu cérebro precisa primeiro sair deste estado de inércia, da zona de conforto, que é o conhecido para ele, para ir se habituando a uma nova atividade. As mudanças de hábito tendem tomar como ponto de partida uma melhora. Seja ela de vida, de profissão, emocional ou apenas como um desafio pessoal. O tempo para essa mudança varia de pessoa para pessoa.
 

Sempre que queremos mudar algo na nossa vida, começamos tendo que vencer um grande inimigo: nosso próprio cérebro. É ele o responsável por nos sentirmos mais confortáveis cultivando velhos hábitos do que mudando. No entanto, mudar não é impossível. Somos sim, capazes de criar hábitos que transformem nossa vida para melhor.

Para abandonar um velho mau hábito, é preciso criar uma rotina positiva. Para começar, é necessário identificar qual recompensa que você está buscando através do mau hábito. Por exemplo, alguém que fuma pode ter esse costume na intenção de aliviar a ansiedade. Identificando isso, é possível pensar em novas maneiras de se ter essa mesma recompensa.

O mecanismo básico da troca de hábitos é bem parecido, mesmo quando são costumes bem diferentes. O essencial é se perguntar como o mau hábito foi adquirido, criar uma rotina, inserir um novo hábito no lugar daquele e, o mais importante, persistir até que isso se torne algo natural.


É muito difícil quem decida fazer uma grande mudança e não tenha nenhuma recaída. Por exemplo, alguém que decide parar de brigar por ciúmes pode acabar voltando a ter essas discussões. Essas são as falhas e elas fazem parte do processo. O que é importante, é saber lidar com elas. Uma recaída não significa que todo o esforço feito até aquele momento não valeu nada. Também não quer dizer que você não conseguirá criar o hábito. Depois da falha, é preciso seguir em frente e continuar a tentar inserir o novo hábito. Tenha paciência.


Existem algumas situações em que ficamos mais vulneráveis a ceder para os velhos hábitos. Sabendo quais são esses momentos, que são gatilhos para as falhas, é possível evitar que eles aconteçam. Por exemplo, para quem quer parar de beber, pode ser que sair para um bar seja uma situação complicada. Pelo menos por um tempo, evite esses momentos.
 

Mudar um hábito não acontece de um dia para o outro. Assim como uma habilidade demora para ser inserida em sua rotina, um hábito também demora. Deve ser uma ação consciente e rotineira para que se torne, de fato, um hábito. O começo de uma mudança nunca é fácil, mas é necessário pensá-la em micro ações para perceber o resultado como um todo.


Os hábitos fazem parte de 40% do nosso dia. Ou seja, passamos quase metade do tempo no piloto automático, tomando decisões baseadas em ideias já estabelecidas em nosso inconsciente. Se você passa quase metade da sua vida cultivando hábitos destrutivos ou que nada contribuem para a conquista dos seus objetivos, como esperar resultados satisfatórios?


Muitas vezes, você pode se sentir motivada por uma incrível história de transformação que parece ter
acontecido da noite para o dia. No entanto, você não sabe qual o caminho que esta pessoa percorreu até chegar lá, mas você pode ter uma certeza: ela descobriu como mudar hábitos que não contribuíam para seu crescimento pessoal e profissional.

Por mais que o impulso inicial para a mudança seja necessário, de nada adianta se você não fizer um pouco todos os dias.


“Somos aquilo que fazemos repetidamente” – Aristóteles

 

Se você quer fazer mudanças profundas em sua vida, a primeira coisa que você precisa saber é como mudar hábitos.


Analise um dia da sua vida. Anote todas as suas atividades e reflita sobre quantas delas são automáticas, aquelas ações que você não pensa em fazer, mas simplesmente faz, como:

- Se espreguiçar ao acordar

- Escovar os dentes

- Lavar o rosto

- Tomar café preto pela manhã

- Tomar banho

- Se arrumar para o trabalho

Não importa quais as ações que você toma, mas sim o reconhecimento de que muitas delas acontecem de forma natural, sem que você tenha que pensar muito a respeito antes de agir. Por exemplo, já passou pela sua cabeça, em algum momento, não escovar seus dentes?

Ou seja, este é um hábito tão internalizado para a grande maioria das pessoas, que parece um verdadeiro absurdo não o fazer.


Acontece que você não nasceu com o instinto de manter sua higiene bucal em dia, mas sim foi ensinada sobre a importância de fazê-lo todos os dias.

 

Até que um dia, ninguém mais precisou lembrar você de escovar os dentes.
 

E pronto: o hábito foi criado.


Certamente, a criação de um novo hábito não é nada fácil. Substituir um hábito ruim por outro melhor então, menos ainda, mas antes de mais nada, você sabe como um hábito é formado em sua mente?

Tudo começa lá na primeira infância, somos programados por nossa genética, pelo ambiente em que vivemos e pelas pessoas responsáveis por nossa educação.

Se em seus primeiros anos de vida, você foi induzido a acreditar em crenças limitantes, como “se você não nasceu rico, nunca será rico” ou “a vida é difícil” ou ainda “trabalhe por dinheiro e não por amor”, todos esses paradigmas irão refletir diretamente em seus pensamentos, ou seja, mesmo que conscientemente você saiba que pode ganhar dinheiro fazendo aquilo que gosta, seu subconsciente diz exatamente o contrário. 

 

O grande problema aqui é: aquilo que está armazenado em seu subconsciente é o que influencia diretamente nas suas ações e não o pensamento consciente e racional.


A mudança que precisa ser feita para gerar uma ação diferente é muito mais profunda e demorada, mas não se preocupe, pois isso não significa que você não possa quebrar os velhos paradigmas e descobrir como mudar hábitos que estão atrasando seu avanço.


Eu nem preciso te explicar que um hábito ruim pode destruir muitos de seus sonhos. Você com certeza já passou por alguma situação em que pôde aprender isso na pele e infelizmente em algum momento da vida, você cultivou hábitos nocivos.
 

Cada indivíduo tem seu próprio momento de iluminação, que o leva a tomar a decisão de melhorar os seus hábitos e por razões que nossa mente racional muitas vezes desconhece.

O gatilho pode ser acionado sem querer ou após passar por uma situação complicada em sua vida.

 

De nada adianta uma ideia fazer sentido logicamente se o paradigma diz exatamente o oposto.

 

Você pode até tomar a decisão, mas no dia seguinte não muda absolutamente nada em sua vida.

 

Sua visão de mundo, suas crenças em relação ao dinheiro, ao trabalho e às pessoas não são controlados pelo seu lado racional, mas pelo que está por trás de tudo isso.
 

Somente a força de vontade não vai te levar a lugar nenhum.

Tenha força de vontade, mas saiba que isso não é tudo


Calma! Não estou dizendo que você não tem que ter força de vontade. Estou dizendo que ela não é tudo, pois a força de vontade é como uma bateria que tem prazo para descarregar conforme o seu uso. Tenha força de vontade para mudar os seus hábitos, mas tenha também compromisso com o que pretende mudar em sua vida.

 

Se você levanta cansado ou se chateia durante o dia, sua força interior vai embora, mas o que te faz continuar é o compromisso com o resultado.


De grão em grão a galinha enche o papo


Não adianta querer mudar tudo em sua vida de uma vez só. Algumas pessoas conseguem, mas isso é sempre muito difícil e traumático. Boa parte delas até desistem. Se você identificou 5 fatores que incomodam em sua vida, vamos lá, de grão em grão, ou seja, um de cada vez. Imagine se você quer aprender inglês, você não consegue do dia para a noite falar uma nova língua, você aprende gradativamente. A mudança de hábito com velocidade moderada tende a ter mais chances de sucesso.
 

Você é humano, pode sim desistir de algum plano, mas só se realmente perceber que isso não é o que você quer, mas se realmente deseja algo, seja persistente e vá até o fim. Para muitos, é difícil obter a mudança por si só. Outro dia, li em uma pesquisa recente que 28% das pessoas colocam suas motivações para uma mudança de hábitos em alguma coisa ou por alguém e não por si mesmas. Se você não consegue por você, mude pelo crescimento de sua empresa, do seu negócio, mude para estar mais perto da família, pela saúde, pela esposa, seus pais...

Permita-se errar. Não há nada de mal nisso.

Na minha opinião existem dois tipos de inimigos mortais da mudança de hábito: o primeiro é não agir e o segundo é o perfeccionismo, até porque ninguém é perfeito. Se você procura a perfeição em suas mudanças, sinto te informar que você fracassará.

 

Ao invés de buscar a perfeição, busque a excelência. A própria excelência é a busca pela melhoria constante de suas ações. Você vai errar e aceite, você pode errar. Toda mudança gera um conflito interno que te faz cada vez mais desistir e voltar à sua zona de conforto, mas não se deixe enganar, erre, volte e procure não cometer o mesmo erro. Lembre-se que errar e aprender com os nossos erros é fundamental para o nosso amadurecimento.

Então, é hora de mudarmos de hábitos?
Sim!

Se existe um fator te incomodando, que você sente que está atrapalhando você ser uma pessoa melhor para você e até para as pessoas a sua volta, este é o melhor momento para você começar uma grande mudança de hábito, saia de sua zona de conforto, ou melhor, amplie a sua zona de conforto, assim você se sentirá mais feliz e mais capaz: com uma zona de conforto maior.

E como última dica: Conte com ajuda!
 

Tenha na sua rotina pessoas que te ajudem com seu objetivo e te incentivem. Boas companhias influenciam e facilitam o processo de adquirir um novo hábito. Seja honesto com essas pessoas, desabafe sobre as suas dificuldades e divida as alegrias de estar chegando mais perto do seu objetivo.

 

Além de familiares e amigos, um psicólogo pode ser essencial nesse momento, fazer terapia com psicólogo será extremamente útil para ele avaliar o andamento do processo, oferecer dicas e ajudar na criação do novo hábito, mais saudável.