Coluna Divã da Autoestima

com Dra. Francilene Torraca

Autoestima X Depressão

Se alguns destes sentimentos tem rondado sua vida: insegurança, sentimentos de inadequação, dúvidas constantes, medo de errar, necessidade de agradar os outros e ser reconhecida e não sentir-se capaz de realizar coisas – precisa ficar atenta. Algo não anda bem com sua AUTOESTIMA.

O excesso de cobrança pessoal, que beira a uma obsessão por alcançar realizações também é uma das principais causas de frustrações e níveis elevados de estresse.

A frustração e cobrança por aquilo que se imagina que poderia ter feito ou acontecido gera nas pessoas desânimo, deixando aos poucos de lutar por seus objetivos. As comparações que as pessoas tendem a fazer com as outras, lamentando-se do porquê minha vida não evolui como a vida de algum amigo ou parente, faz com que nossa autoestima fique baixa, devido ao sentimento de incapacidade. São maneiras de ver, um olhar errado diante da vida e de seus problemas. Cada pessoa tem uma história e um porquê de ter conseguido isso ou aquilo. E isso nada tem a ver com nossa capacidade.

A vida nos apresenta várias situações e oportunidades. Cabe a nós analisar e colocar em prática ou não, as ações necessárias na direção dos objetivos.

Disso também vai depender qual o valor ou apreço que uma pessoa tem por si mesmo. A falta deste componente importante poderá influenciar negativamente no alcance das suas metas profissionais, relações de amizade e também afetivas.

Para que essa situação de baixa auto estima não venha ocasionar uma futura depressão, precisamos enfrentar estes sentimentos negativos da melhor maneira possível, apostando em atitudes construtivas e positivas.

Será importante você focar num propósito de vida que tenha um significado pra você. Pense num objetivo e trabalhe por ele.

Cuide de você, da sua alimentação, do seu corpo físico e da sua saúde mental.

Pense em si e em quais são seus planos para o futuro. Não se acomode, lute por mudanças. Sair da nossa zona de conforto, não é fácil, mas necessária para nosso crescimento. Fará com que alcancemos boa parte daquilo que procurávamos.

 Um bom exercício é lembrar-se das pequenas conquistas que a pessoa já teve no seu curso de vida e considerar os resultados positivos de todas essas vitórias. Se aquela sensação de falta de amor próprio ainda prevalecer, é importante buscar a ajuda de um terapeuta – ele poderá ajudar no processo de autoconhecimento e aprendizado com experiências passadas.  

E lembre-se: Seja a mudança que você quer ver!