Em setembro foi o mês de prevenção ao suicídio (Setembro Amarelo) e agora em outubro, o mês de prevenção ao Câncer de Mama (Outubro Rosa). O Movimento Top Loba sempre inicia campanhas para apoiar essas datas tão importantes para a conscientização de todos. E no nosso grupo de WhatsApp com as Top Lobas de todo Brasil, debatemos sobre os assuntos e compartilhamos nossas experiências umas com as outras. Estas iniciativas sempre nos fortalecem e nos confortam, pois sabemos que não estamos sozinhas nas batalhas.

Por isso, resolvemos trazer para a Revista Top Loba, trechos de conversas de nosso grupo, onde desabafamos e dividimos nossas dores, para que assim, possamos de alguma forma, ajudar nossas leitoras tão queridas.

Depoimento de Helena Espejo

 

"Gente vou contar minha história...espero ser breve...rsrsrs

Eu em 2004 sofri um acidente de carro, quase fui pro outro plano, mas Deus me deu uma segunda chance, de rever meus valores ... e recomeçar...porém eu nesta época, após o acidente, desenvolvi a Síndrome do Pânico, pois já vinha numa leva louca de trabalho com muita cobrança, muito stress, inclusive o acidente foi voltando do trabalho...a noite, muitas horas a mais no trabalho sabe...

Parei...me tratei e me curei...

Porém outros desafios vieram...meu pai teve um AVC em 2013...ele que sempre foi tão ativo...foi internado sem falar e sem mexer uma parte do corpo, quando eu ia visitá-lo, as lágrimas escorriam de seus olhos, pois ele estava bem lúcido do que acontecia, porém não demorou...em 5 dias outro AVC o levou embora...

Seis meses depois disso, descobrimos...eu e meu marido, que meu marido estava com câncer, aí foram quase dois anos de luta contra essa doença terrível...enfim...

Eu estou viúva desde  2016...e atualmente estou fazendo tudo o que gosto...me reinventei e estou bem comigo mesma, na certeza que sempre dei o melhor de mim...minha essência é o Amor ♥️"

Depoimento de Fátima Araújo

 

"Bom dia meninas! Queria falar pra vocês, já que estamos no Outubro Rosa, que há quatro anos atrás fazendo mamografia e ultrassom, fui diagnosticada com calcificações que,  conforme o contorno delas, poderiam ser benignas ou malignas.  Graças a Deus minha mastologista fez a retirada de mais ou menos uma concha pequena no meu seio direito! Continuo fazendo acompanhamento. Este depoimento é só pra alertar sobre além de se tocarem no autoexame e fazerem a mamografia, é importante a ultrassom, pois eu não sentia nada e nem tinha nódulos. E talvez eu não estivesse aqui mais, se minha médica não tivesse feito a retirada."

Depoimento Rita Vizigali

 

"Bom meu caso foi em 2011, quis fazer uma cirurgia plástica estética para tirar excesso de pele e levantar a mama, fui ao cirurgião plástico, quando me pediu exames pré-operatórios, com esses exames, o ultrassom e mamografia.

Disse a ele que tinha feito há 5 meses mamografia e ultrassom, perguntei se poderia ser aqueles, pois a mamografia é bem ruim de fazer, incomoda né? 

Ele insistiu que queria uma recente, eu insistindo que eram apenas 5 meses. Mas como um bom médico, insistiu e disse que com o ultrassom e mamografia em mãos, eu fosse num mastologista e pedisse uma carta informando que estava apta a fazer a tão sonhada cirurgia plástica.

Fiz os exames, levei à minha ginecologista que também é mastologista. Pra minha surpresa, apareceu um nódulo meio estranho, disse que não poderia me dar a carta antes de fazer a biópsia . Mas eu estava tranquila, pois já tinha tirado um nódulo, e era apenas um cisto.

Fiz a biópsia, após algumas semanas fui buscar o resultado, acredita que nem abri?

Estava tranquila. 

Meu marido chegou do trabalho, veio com meu filho mais velho e meu neto que tinha 2 aninhos e estava meu filho mais novo em casa.

Ahhh comecei a brincar com meu neto e meu marido perguntou sobre a biópsia, perguntou se tinha aberto, o que tinha dado... enfim.

Eu disse q não, ele até disse: como não, só vc! 

Pegou o exame abriu, chamou meus filhos e os três vieram na sala onde eu brincava com meu neto, com umas caras... Me disse: Amor vi o resultado, e eu nem aí... mas perguntei; EAIIII???

Deu carcinoma, eu travei na hora. Como assim? Meu mundo desabou, meu chão desapareceu, me vi feia, sem cabelo, enfim só Deus.

O incrível é que uns 2 meses antes eu peguei meu neto no colo e ele apontava pra essa mama e dizia: Vovó dodói, e eu falava; Não vovó não está com dodói e ele insistia dizendo que tinha dodói . 

Resumindo: tive que tirar 1/4 da mama, fiz 28 sessões de radioterapia, tomei medicamento durante 5 anos.

Agradeço a Deus por ter descoberto no início, 5 meses antes não tinha dado NADA. Por ter descoberto cedo não precisei de quimioterapia. 

Difícil foi, mas Deus me deu toda força e direção... No início 2017 tive alta totalmente curada. E agradeço muito a Deus e minha família que estiveram comigo. Por isso digo e repito se cuidem meninas. Façam a prevenção, não deixem passar. OUTUBRO ROSA É MUITO IMPORTANTE PRA MIM."

Depoimento Elisangela Gibin

 

Boa tarde alcatéia! Aproveitando para compartilhar um pouco minha história com vocês.  Outubro Rosa também é uma data significativa pra mim. Minha mãe teve o câncer de mama. Ela não sentia nada, até que um dia notou o mamilo diferente, como se estivesse sendo sugado. Procurou o médico e logo veio o resultado de uma biopsia para um câncer maligno. Foi um choque para todos, principalmente para mim que estava grávida do meu primeiro filho e sou filha única. Minha mãe sempre foi uma mulher muito batalhadora e me criou praticamente sozinha, já que meu pai faleceu quando eu tinha 6 anos. Ela era uma mulher muito fervorosa e temente a Deus, enfrentou a doença, fez 6 sessões de quimioterapia,  perdeu todo o cabelo e ainda assim tinha esperança de ver o seu primeiro neto. Ela se manteve no tratamento e exames uma vez ao ano. Minha filha nasceu e ela me ajudou demais. Porém perdi minha filha ainda bebê com 1 ano e 4 meses. Um vírus misterioso, insuficiência respiratória. 

Apesar de toda dor continuamos firmes com Deus e eu tentei mais um filho e  minha mãe mais uma vez me ajudou.

Porém o câncer voltou depois de 17 anos e ela se foi.  A dor da perda me deixou sequelas. Depressão e fibromialgia. 

Mas mesmo assim me mantenho firme com Deus. Procurei algo que gostasse de fazer.. fui dançar... a dança para mim é uma terapia.

É como a Denise das Neves disse em seu vídeo...  procure motivos para sorrir, dance em casa, faça algo por você e tente manter o bom humor e a fé em Deus sempre.

Me desculpem o texto!  bjss

Depoimento Maria Zilda

 

"Quero também deixar minha contribuição... em 2014 em um exame de rotina com mastologista, este identificou pequenos nódulos na minha mama direita, me sugeriu alguns exames e após fazer uma pulsão para análise minha mama aumentou assustadoramente de tamanho, muito rápido... aí foram vários exames até chegar o diagnóstico final Tumor Filóides Borderline. Foi muito louco porque eu não sabia nada sobre o assunto. Graças a Deus que não era câncer ainda. Mas tive que retirar a mama. Quando o médico me sugeriu retirar uma mama, esperar seis meses para fazer a reconstrução meu mundo desabou. Eu sou vaidosa. rsrsr, foi então que a Loba que já existia em mim despertou e falou com firmeza para o médico: VAMOS RETIRAR AS DUAS MAMAS, COLOCAR UM SILICONE MASSA E EU VOU FICAR AINDA MAIS LINDA! Meu médico adorou minha atitude, aceitou com todo cuidado que o caso merece e assim fizemos. Graças a Deus deu tudo certo. Hoje já faço apenas um exame por ano para certificar de que está tudo certo!..."

Depoimento Angel Mancio

"Um dia minha mãe foi tomar banho na casa de um parente, pois estava de visita, e ao ligar o chuveiro (aquele que tem dois registros com água fria e quente), ela levou um susto com a água muito quente e, ao se esquivar, bateu o seio direito no vidro do box. Doeu demais e depois ficou uma massinha no lugar, mas ela não deu atenção.

Dois anos depois, ela foi fazer uns exames para uma cirurgia estética de pálpebra e foi obrigada a passar por uma ginecologista (coisa que ela nunca faz!), quando a mesma detectou o caroço num exame de toque. Imediatamente ela pediu a biópsia e o diagnóstico foi câncer de mama! Mas, apesar de todo o tempo que havia passado, o câncer ainda estava no início e foi preciso apenas retirar 1/4 do seio e algumas sessões de radioterapia. Isso faz quase dois anos e ela ainda toma remédio diariamente, mas está muito bem. Os médicos disseram que a batida do seio não teve relação com o câncer, mas achamos coincidência demais! Não custa ficar de olho se isso acontecer...e claro, fazer a mamografia anualmente é imprescindível!

Comentário Marlene Miranda

 

"Sei que a dor de uma não é igual de outra, mas já passei por tantas perdas, uma delas recentemente foi a minha mãe, também com câncer. Mas estamos aqui juntas trocando experiências e fortalecendo umas as outras. Com Deus acima de tudo, vamos superar tudo isso."

Nossas Top Lobas na Campanha do Câncer de Mama